sábado, 12 de junho de 2010

Mais uma maçaneta

Arranhões podem transformar o tempo.
Se já é frio, pequenos arranhões, palavras arrastadas tornam as horas mais frias.
Olhar através do vidro já é, por si só, solitário. Depois daqueles arranhões, é cortante.
Pedimos sinceridade fria. Pedimos aquela extrema sinceridade. O frio sempre dá o que desejamos com aflição.
O frio não nos uniu sob o entrelaçado, atitude tão comum. O frio, o frio que tanto pedimos, nos afastou.
O frio, esse frio, afastou o hoje, o dia que eu tanto recriei.
Temo não encontrar mais um.

Se a intenção era deixar minhas mãos mais frias, seus arranhões conseguiram.

2 comentários:

Eric disse...

eu nao sei se aprendi a gostar dos seus textos ou se voce está em uma fase mais clara...

mas achei lindo.

Laurinha disse...

muito bom.